Número total de visualizações de página

Fussballverband Region Zürich mit Portugiesischen Teams

BLOGGER: SP de Braga, Braga, Portugal. Sporting Clube de Braga de Zurique, Zürich, Switzerlande - GVrreiros do Minho e cultura luso Portuguesa & Helvética...

3. Liga - Gruppe 2
Sporting Clube de Zürich & Centro Lusitano de Zürich
http://www.football.ch/fvrz/de/verein.aspx?v=1629

4. Liga - Gruppe 3
Lafões Club Portugues
http://www.football.ch/fvrz/de/meisterschaft-fvrz.aspx

4. liga - Gruppe 4
Braga de Zürich & Benfica Clube de Zürich
http://www.football.ch/fvrz/de/meisterschaft-fvrz.aspx

Refiro que, o SP de Braga de Zürich, joga com o nome emprestado da Organisação FC Industrie Turicum 2

Site Oficial da Liga Portuguesa de Futebol Profissional http://www.lpfp.pt/Pages/Inicio.aspx

e-mail inspiracaodoautor@sapo.pt

domingo, 9 de maio de 2010

Recapitulando: Sou vermelho vermelhinho...

- OS MEUS CLUBES ESTAO DE PARABENS...


"sábado, 31 de Outubro de 2009
SP Braga 2 0 SL Benfica
Braga isolado, 25 pontos!
Braga vs Benfica

Sou Vermelho, vermelhinho!
Vermelho e branco!
Sou Benfiquista por opção!
Sou Bracarense por natureza!
Ganhe o que ganhar, fico triste pelo que perder...
Seria melhor um empate, digo eu.
No entanto gostaria que o Braga fosse Campeão nacional, e, que este resultado, seja ele qual for, não faça falta para a classificação final."

- TENHO DITO, AQUILO QUE DISSE ESTOU A RECAPITULAR E NAO TENHO MAIS PALAVRAS!
Só estas, palavras, o Porto e o Sporting foram inferiores aos vermelhinhos, desculpem-me amigos Dragões e Largatos, pois também "EU" brindo convosco.

Abraços Futebolísticos

autor: Quelhas

2 comentários:

Anónimo disse...

O Benfica é campeão nacional da época 2009/10, depois de esta noite no estádio da Luz, ter vencido o Rio Ave por 2-1, conquistando o 32º título da sua história. Cinco anos depois, o título volta à Luz.


Dependendo apenas de si para ser campeão, o Benfica não desperdiçou a oportunidade no último encontro deste campeonato frente ao Rio Ave.
O Benfica sagra-se campeão nacional cinco anos depois (2004/05). Também nessa temporada, a decisão foi levada até à última jornada e um empate no Bessa (1-1), a 22 de Maio de 2005, bastou para premiar a equipa mais regular numa época que fora atípica.


À 20ª jornada, em jogo antecipado com a União de Leiria, as águias seguraram o primeiro lugar e beneficiaram da derrota pesada dos “arsenalistas” no reduto do FC Porto (5-1). Desde aí, não mais perderam a liderança e consolidaram-na na recepção ao Sporting de Braga, quatro rondas depois.


Os encarnados conquistam o seu 32º título, num campeonato que só foi decidido na última jornada, muito por culpa de uma excelente equipa bracarense comandada por Domingos Paciência, que termina em segundo lugar.

O Benfica encerra esta temporada com 76 pontos, 24 vitórias, quatro empates e apenas duas derrotas, 78 golos marcados e apenas 20 sofridos e junta o título à Taça da Liga. Além disso, conseguiu atingir os quartos-de-final da Liga Europa, só caindo aos pés do Liverpool e depois de ter derrotado o campeão francês, Marselha, nos “oitavos”.

Sporting Clube de Braga de Zurique disse...

Futebol: Nacional - Braga (comentário)
09 de Maio de 2010, 20:43

Funchal, 09 mai (Lusa) -- Nacional e Braga empataram hoje a um golo, em jogo da última jornada da liga de futebol e que não serviu os interesses de qualquer dos emblemas.

O Nacional não conseguiu repetir o feito da época passada e ficou fora das competições europeias e o Sporting de Braga não atingiu o ambicionado título, acabando o campeonato no segundo lugar, mas conseguiu a qualificação para disputar as pré-eliminatórias da Liga dos Campeões na próxima época.

O peso da responsabilidade e a dependência de terceiros, retirou qualidade à partida, sempre disputada sob o signo do nervosismo.

A primeira parte foi jogada sempre com muitas cautelas de parte a parte.

Com o jogo pouco vivo no relvado, a animação aconteceu primeiro nas bancadas, quando Benfica e Guimarães marcaram, dando azo a explosões de alegria, tanto dos adeptos locais, como dos cerca de quatrocentos apaniguados bracarenses que viajaram desde o Minho.

Manuel Machado, que perdera o central Felipe Lopes no aquecimento, devido a uma lesão, foi também obrigado a mexer na equipa logo aos 11 minutos, quando Luís Alberto se lesionou, proporcionando a entrada de Juliano.

Todos estes fatores retraíram o conjunto madeirense, mas os minhotos não aproveitaram os azares do adversário, sempre muito atentos defensivamente.

Os dois guarda-redes foram praticamente espetadores na etapa inicial, embora a equipa de Domingos Paciência fosse sempre mais perigosa que o adversário, mas pouco clarividente em termos de finalização.

Mesmo assim, aos 37 minutos, Paulo César falhou de forma incrível frente a Bracali, após uma assistência de Mateus, num lance iniciado em Alan.

Na etapa complementar, o jogo modificou-se, para melhor, fruto de uma desinibição notória dos intervenientes e da necessidade imperiosa em arriscar.

Os madeirenses surgiram mais soltos e objetivos, criando embaraços a defesa bracarense que viveu a espaços alguma instabilidade.

Se numa primeira ameaça à baliza contrária, Edgar Silva falhou o alvo, à segunda, aos 51 minutos, o avançado do Nacional não perdoou, encaminhando a bola para o fundo das redes de Eduardo, após um cruzamento de Patacas.

Em desvantagem no marcador e inconformado com a atitude da sua equipa, Domingos Paciência lançou Hugo Viana e Renteria, aos 53 minutos.

As alterações produziram o efeito desejado, aos 56 minutos: Hugo Viana assistiu Renteria e o colombiano bateu Bracali.

Aos 62 minutos, o mesmo Hugo Viana, em posição privilegiada, obrigou o guarda-redes do Nacional a uma defesa apertada.

A partida vivia então o seu melhor período, com os lances de ataque a surgirem em grande número.

Aos 65 minutos, Cléber tomou a iniciativa e rematou de muito longe, com Eduardo a corresponder com uma boa intervenção.

Aos 72 minutos, nova explosão nas bancadas do Estádio da Madeira, com os adeptos do Braga a festejarem efusivamente o tento do Rio Ave, na Luz.

Aos 77, porém, eram os do Nacional a fazerem a festa com o segundo tento "encarnado", mas a esmorecerem logo de seguida com o tento do Marítimo que deixava o Nacional fora da Europa.

Como o Nacional dependia de mais um golo para chegar ao objetivo, os últimos instantes do jogo foram passados na área bracarense. Uma autêntica asfixia que terminou com o apito do árbitro.

DYS.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Lusa/fim.